Terra dos vikings, de paisagens deslumbrantes e invernos rigorosos, Suécia, Finlândia, Noruega e Dinamarca são reconhecidos por uma cultura focada no essencial. Os chamados países nórdicos prezam pela simplicidade, conforto, funcionalidade e proximidade da natureza. Em contraste ao exterior gelado e escuro em boa parte do ano, os interiores são aconchegantes, iluminados e calorosos. A abundância das florestas de pinheiros e bétulas fez com que os escandinavos escolhessem a madeira como sua matéria-prima principal. Capaz de garantir um toque rústico e natural, trazer isolamento térmico e oferecer o bem-estar proposto por esse estilo, o material compõe de móveis a estruturas construtivas.

A experiência com a madeira começou ainda na era medieval, com os vikings usando-a em embarcações, casas e igrejas. É importante lembrar que aproximadamente 60% do território da Suécia e 70% da Finlândia têm cobertura florestal. Na Noruega, onde há muitas montanhas, 25% da área é de florestas. Tal abundância faz desses países importantes produtores de madeira — especialmente a Suécia, atualmente a maior exportadora de madeira da Europa e a terceira em nível global, atrás apenas do Canadá e Rússia, que têm uma dimensão territorial bem superior. Os dados fazem parte do levantamento da Central Intelligence Agency (CIA) “The World Factbook Field Listing: Exportação de Commodities”. A tradição resistiu e hoje a arquitetura nórdica com seu característico uso da madeira coleciona nomes de destaque mundial. 

O arquiteto e designer finlandês Alvar Aalto é um dos mais versáteis do século XX, foi responsável por trazer um traço mais orgânico à arquitetura moderna. Sua estética natural aproximava o edifício à paisagem, em harmônica integração. O refúgio rural Villa Mairea é uma das suas mais clássicas obras, com múltiplas colunas em madeira no interior da casa simulando a floresta de bétulas que a envolve.

Mais recentemente, o escritório norueguês Voll Arkitekter alcançou a fama por entregar o mais alto edifício de estrutura em madeira engenheirada do mundo. Com 19 andares, o Mjøstårnet atinge os impressionantes 81 metros de altura, usando materiais e experiência adquiridos localmente, de maneira sustentável e inovadora. As áreas ao seu redor são conhecidas por sua silvicultura, indústria florestal e de processamento de madeira, justificando sua inserção estratégica. 

Já o escritório norueguês Snøhetta simboliza arquitetura escandinava e seu minimalismo. Há mais de 30 anos em atividade, os arquitetos exploram o diálogo entre artesanato e a tecnologia e a defesa da sustentabilidade. 

As cabanas turísticas Tungestølen, no oeste da Noruega, remetem às tradicionais construções nórdicas, mas com design arrojado e a aplicação da madeira em múltiplas técnicas: estrutura de madeira laminada colada (MLC) coberta por lâminas de madeira laminada cruzada (CLT), com fachada revestida por pinheiro minério (ore-pine) – o mesmo utilizado pelos vikings em suas igrejas escandinavas.

voltar [<]