A AMATA completa dois anos no Paraná e inicia colheita própria

Um período dedicado a entender o contexto da região e a iniciar a implantação do seu modelo de gestão

20/07/2015
Foto da operação no Paraná
Foto da operação no Paraná

Na última semana de junho foi iniciada a atividade de colheita própria na operação da AMATA no Paraná – antes, toda a atividade de colheita era realizada por clientes que compravam a madeira em pé. Com esta alternativa, a AMATA consegue garantir seu jeito de operar ao longo de todo o processo produtivo.


A operação do Paraná foi iniciada pela AMATA com a compra da Florespar Florestal, em 2013. Ao longo destes dois anos em que assumiu a gestão dos ativos na região, conseguiu incorporar sua cultura aos colaboradores, os Amatos, adequou a prescrição da silvicultura em terrenos montanhosos e entendeu a dinâmica do mercado de madeira da região.


“Na região da operação no Paraná existe uma cultura muito antiga de como trabalhar com florestas e a AMATA esta buscando, por meio de novas técnicas, principalmente de silvicultura, melhorar o manejo e a qualidade da madeira. Um exemplo é a capina química, que nunca havia sido usada e foi aplicada pela empresa com a intenção de aumentar a produtividade da floresta”, explica Flávio Dorigon, coordenador de operações florestais do Paraná.


Além disso, o novo modelo da operação no Paraná está alinhado à estratégia da empresa e faz com que a AMATA seja a única empresa florestal brasileira que atua em todas as frentes (manejo de floresta tropical e plantios de espécies nativas e exóticas, o que chamamos de contínuo florestal). Agora, o maior objetivo desta operação é obter a certificação FSC®. A AMATA está preparada para extrair da floresta todo o seu potencial de geração de valor e compartilhá-lo entre todos os públicos envolvidos.

Compartilhe

Outras redes sociais