Resultados da Gestão Socioambiental das Áreas de Alto Valor de Conservação e da fauna do Resumo do Plano de Manejo de Rondônia

Além do resultado operacional positivo, um dos principais fatores relevantes e motivos de orgulho foram as recompensas de nosso trabalho no âmbito da gestão socioambiental.

Por AMATA AMATA 21/09/2017

Em julho, a AMATA publicou o Resumo do Plano de Manejo Florestal Sustentável com os resultados da safra 2016 de sua UMFIII, a Floresta Nacional do Jamari em Rondônia. O resumo e seus complementos são instrumentos desenvolvidos para estabelecer canais de diálogos permanentes entre a AMATA e a sociedade, garantindo o envolvimento prévio e o conhecimento contínuo das populações do entorno, da sociedade civil e do governo sobre as operações, os impactos e os planos da organização.

Sem dúvida, o maior marco de 2016 foi o resultado operacional positivo em decorrência do volume de venda e receita líquida que vêm aumentando ano após ano, o que comprova o fato que a AMATA está mais madura em relação ao mercado. Porém, um dos principais fatores relevantes e motivos de orgulho foram as recompensas de nosso trabalho no âmbito da gestão socioambiental.

Entendemos que todas as florestas são valiosas. Por isso, nossas operações procuram seguir as melhores práticas no que tange às questões ambientais e sociais, no intuito de causar o menor impacto possível. Essas práticas procuram garantir a sustentabilidade da atividade florestal. Algumas florestas possuem Áreas de Alto Valor de Conservação (AAVC), e nestes casos, estes atributos devem ser mantidos e integrados ao programa de monitoramento da empresa, pautados pela presença de um valor biológico, ecológico, social ou cultural.

Com base nas definições de AAVCs do manual do PROFOREST, que pode ser encontrado aqui, a AMATA conduziu análises internas na UMFIII e durante a execução do Plano de Manejo Florestal Sustentável, identificou a presença de afloramentos rochosos de Granitos Rondonianos - ambiente com grande potencial de ocorrência de endemismo ou de população de alto nível de diferenciação genética - compreendendo 1.054 hecates ao total.

O monitoramento da integridade das áreas de AAVC é feito anualmente, por meio de imagem de satélite Landsat 8 com aplicação da metodologia NDVI, que permite avaliar áreas florestais com precisão de 30m, além de visitas amostrais para observação das condições físicas e biológicas das mesmas. Esse monitoramento por imagens via satélite mostra que essas áreas identificadas não sofreram impactos ao longo do período de 2013 a 2016, um resultado muito a se comemorar e que refuta nossos esforços em preservação.

Além desses resultados, vale ressaltar que a AMATA conduziu uma avaliação em campo acerca das condições das AAVCs, que teve como objetivo analisar se essas áreas identificadas sofreram impactos ao longo do ano passado, e assim como o previsto, não houve atividades operacionais no buffer estabelecido, e suas áreas mantiveram sua integridade neste período.

Monitoramento de biodiversidade: fauna

Outro importante resultado socioambiental do Resumo foi o monitoramento da fauna para a identificação de espécies raras, ameaçadas ou endêmicas, no intuito de contribuir para a ampliação dos conhecimentos sobre biodiversidade das áreas de atuação e subsidiar a gestão operacional, para que medidas de prevenção e mitigação de possíveis impactos ambientais oriundos do manejo florestal possam ser planejadas e tomadas.

Esse monitoramento é baseado em duas estratégias básicas: monitoramento interno de espécies bio-indicadoras e parcerias com empresas privadas e instituições de conservação e pesquisa. Ele é feito por avistamento, realizado diariamente por todos os envolvidos na operação e registrado em fichas específicas. Os colaboradores responsáveis pela consolidação das fichas são treinados e capacitados previamente. Os dados obtidos são enviados mensalmente à equipe socioambiental de AMATA em São Paulo, que realiza a análise dos dados e propõe ações de melhoria nos processos de proteção da fauna.

Ao longo do período de 2011 a 2016, foram registrados 653 avistamentos de fauna durante as operações florestais na UMFIII, sendo 168 somente no ano passado. Deste grupo, foi observado que a maior ocorrência foi de mamíferos, representando 460 avistamentos ao total, seguido por 298 aves e 63 répteis.

A AMATA sempre busca firmar parcerias com instituições de ensino e pesquisa, que, por meio de seus pesquisadores, podem dar direções precisas para esse monitoramento, como: as espécies mais interessantes para serem monitoradas; quais delas podem fornecer as melhores informações para melhoria dos processos; e como devem ser as ações de AMATA para protegê-las, e assim, garantirmos o sucesso nos resultados de preservação da biodiversidade.

 

Compartilhe

Outras redes sociais